Fabricação e venda de peças e acessórios para carga e descarga de caminhões-tanque

CNT divulga estudo sobre a duração do pavimento das rodovias brasileiras

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou nesta quinta-feira, 24, um estudo sobre a duração do pavimento das rodovias do Brasil. O levantamento mostra que quando se trata de obras na malha rodoviária, o país utiliza metodologias com um atraso de 40 anos em comparação a outros países como, por exemplo, os Estados Unidos. 
 
Entre os temas levantados na pesquisa, um dos mais citados é a deficiência na fiscalização e das pistas. Muitas obras são entregues fora dos padrões mínimos de qualidade, exigindo novos gastos para correção de defeitos que podem corresponder a até 24% do valor total da obra. Com poucas balanças em operação e sem fiscalização adequada, também cresce o problema do sobrepeso no transporte de cargas, cujo impacto reduz a vida útil do pavimento. 
 
De acordo com o estudo, a má qualidade dos pavimentos se agrava com a falta de investimentos em obras preventivas. Para se ter uma ideia, estima-se que quase 30% das rodovias federais sequer têm contrato de manutenção
 
Segundo os especialistas ouvidos pela CNT grande parte das rodovias brasileiras foi construída na década de 1960 e a maioria já ultrapassou a vida útil prevista no projeto, porém, sem receber manutenção adequada nesse período. Para a recuperação, pode haver necessidade de reconstrução parcial ou total em casos particulares, com uso sugerido do próprio pavimento reciclado.  
 
Os dados também indicam soluções que podem contribuir para minimizar dificuldades no transporte de cargas e de passageiros e reduzir o alto custo operacional dos caminhoneiros autônomos e das empresas transportadoras, que aumenta, em média, 24,9% devido às más condições das rodovias. Somente em razão da má qualidade do pavimento, em 2016, o setor de cargas registrou um gasto excedente de 775 milhões de litros de diesel, que provocou um aumento de custos da ordem de R$ 2,34 bilhões.
 
Para o presidente da CNT, Clésio Andrade, sem uma malha rodoviária de qualidade e proporcional à demanda do país, a economia brasileira terá dificuldades de crescer de forma dinâmica e na rapidez de que o país necessita. “Além de melhorar a qualidade das rodovias, o Brasil precisa fazer fortes investimentos em transporte e logística para ampliar e diversificar a matriz de transporte do Brasil”. 
 
Fonte: Frota e Cia

Categorias

Treinamentos
Produtos MGN
Notícias
Na estrada
Kit Reparo
Institucional
Dicas MGN

Assine nossa newsletter

Receba novidades e informações sobre serviços e produtos.

pt_BRPortuguese

Alerta de cookies

Otimizamos a sua experiência durante a navegação em nosso site através do uso de cookies, que permitem fornecer funcionalidades como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade, além de aperfeiçoar a experiência do usuário por meio de vários recursos, como reconhecimento de idioma e resultados de pesquisa.
Nosso site também pode usar cookies de terceiros para enviar a publicidade mais relevante para você.
Ao continuar a navegação, entendemos que você está de acordo com referido procedimento.
Para mais informações acesse nossa Política de Privacidade.